Desceu Cristo ao inferno? - Artigo
 
 

Comentários
 

                

O texto de 1Pedro 3: 18-20 tem sido motivo
de muitos debates entre teólogos
e cristãos. Mas, será que Cristo desceu
a um mundo inferior entre
a sua morte e ressurreição?
É o que vamos analisar.

 

As várias interpretações
 

1) Interpretação arminiana - Defende que os contemporâneos de Noé não tiveram nenhum redentor e nenhum guia. Portanto, Deus teve de lhes suprir esta deficiência e, assim, por fim, o Senhor ressuscitado lhes trouxe a salvação. Para eles, a rejeição do Evangelho no passado não foi uma rejeição final e definitiva.

Mas, será que a morte não coloca um fim no período em que Deus opera com Sua graça para salvar pecadores? Será que existe neste texto de Pedro o ensino de uma nova oportunidade para os ímpios se salvarem, mesmo depois de sua morte? A grande dificuldade é que os santos do Antigo Testamento já haviam crido no Messias e, por isso, estavam justificados, Rm 4: 3; Gl 3: 6-9.

2) Interpretação luterana diz que Cristo morreu e, antes de ser ressuscitado, teve seu espírito restituído ao corpo e, na totalidade de sua natureza humana, foi ao inferno e proclamou sua vitória a Satanás. Mas, essa interpretação traz dificuldade porque não havia tido ainda nenhuma manifestação de vitória de Cristo.

3) Interpretação anglicana ensina que a alma de Cristo desceu ao inferno para conquistar a morte e o diabo (tomar as chaves) e para libertar as almas dos homens justos e bons, que desde a queda de Adão morreram por causa de Deus e na fé e na crença em Jesus, que estava para vir. Sua conquista destruiu qualquer reivindicação que o diabo tinha sobre os homens, e a descida foi parte do "resgate" pago por Cristo.

Mas, as Escrituras não ensinam que os crentes do Antigo Testamento foram para o Hades e que Jesus lá desceu para libertá-los. Esses crentes foram estar com Deus após a sua morte, Sl 73: 23-24. Enquanto Cristo estava na terra, Elias e Moisés já estavam com Deus no céu, e não no Hades, 2Rs 2: 11; Lc 9: 29-32.


Análise bíblica de 1Pedro 3: 18-20

1) Qual o significado das expressões
     "carne" e "espírito vivificado"?


Neste texto, Pedro está contrastando dois estados de existência de nosso Redentor.

a) O estado de limitação de Cristo.

"Na carne": este estado é a natureza humana de Cristo, 1Pe 4: 1; 1 Jo 4: 2; 2Jo 7; Jo 1: 14; 1Tm 3: 16, Rm 1: 3-4. A expressão "morto na carne" faz referência quando Jesus morreu e saiu do estado de fraqueza e de limitação.

b) O estado de não-limitação

"Espírito vivificado". A expressão "vivificado no espírito" se refere à natureza divina de Jesus. Seu estado antes de sua encarnação. E foi neste estado que Ele pregou aos "espíritos em prisão".

Quando o texto fala que Jesus "vivificado em espírito foi e pregou, não está se referindo a um lugar depois de sua morte, mas onde Ele estava quando havia desobedientes dos tempos de Noé" (v. 20). Foi neste espírito que Ele pregou através dos profetas.

"Também". A palavra "também" do v. 19 mostra a ênfase do estado de limitação para o estado de não-limitação. Dito de outra forma: Cristo pregou quando estava em nosso meio, como homem (dias de Sua carne), mas também pregou como Divino (não-limitação) nos dias de Noé através dos profetas.

2) Quando Cristo pregou?

O ensino desta passagem não é o que Cristo fez entre a morte e a ressurreição, mas o que Ele fez no seu estado antes da Encarnação - estado não-limitado, no tempo de Noé, 1Pe 1: 8-12.

3) Qual o conteúdo da pregação? O que Cristo pregou?

Jesus pregou o evangelho aos contemporâneos de Noé. Espiritualmente, Cristo estava presente em Noé quando este era o "pregoeiro da justiça", 2Pe 2: 5. Em 1Pe 1: 10-11, o apóstolo mostra o evangelho sendo pregado pelos profetas. Noé certamente pregou aos seus contemporâneos o evangelho e convocou-os ao arrependimento.

4) Quem são estes "espíritos em prisão"
     a quem Cristo pregou?

A expressão "espíritos em prisão" se refere às pessoas que no tempo de Noé (noutro tempo) rejeitaram a sua pregação e que foram consideradas "espíritos em prisão", incapazes de fazer qualquer coisa que os deixassem livres. Permaneceram no cativeiro espiritual; permaneceram incrédulos quanto à mensagem pregada por Noé e na prisão de suas almas.
 

Concluímos, portanto, afirmando que:

1) Não aceitamos: uma descida literal de Cristo ao Inferno; que o diabo possuía as "chaves" da morte e do inferno, que Jesus as tomou dele; uma segunda chance de salvação aos desobedientes após sua morte.

2) Aceitamos: que Cristo esteve sempre presente tipologicamente no Antigo Testamento, pregando através dos profetas o Evangelho de Salvação, Rm 4: 3; Gl 16-9, 2Pe 2: 5.


Fontes bibliográficas

1) Revista Fides Reformata, vol. IV, nº 1, 1999.
2) Revista Os Puritanos, nº 1, ano IX, 2001.


........................

Fonte: Jornal Aleluia de outubro de 2002.

 
 
 O que você gostaria de fazer?    
 
 

Direitos autorais

Este artigo pode ser reproduzido livremente
para fins pessoais, sendo, porém, vedada sua publicação
sem autorização formal da Editora Aleluia.

 
 
   Comentários dos leitores

Mantidas
as vinte últimas
opiniões

De José Carlos Gonçalves de Oliveira
Igreja Batista em São Francisco Xavier
Rio de Janeiro, RJ

Creio que o texto de 1Pedro 3:18-20 quer dizer o que diz, ou seja: Cristo pregou aos espíritos pré-diluvianos porque para eles não houve Lei nem Graça. Efésios 3:8-12 também fala de Jesus ter descido e subido aos céus levando cativos com ele. Isto não tem nada a ver com salvação depois da morte, tem a ver com o poder da ressurreição, que revolucionou tudo no céu, na terra e debaixo da terra.
 

De F. Irene Bleck
Primeira Igreja Batista
Pindamonhangaba, SP

Gostei imensamente do artigo acima. É muito esclarecedor quanto ao assunto. Imprimi o texto, pois sei que será muito útil nos ensinos da Escola Bíblica Dominical e em evangelismo. Desejo-lhe muitas bênçãos e inspiração constante de Deus para que continue abençoando-nos e ensinando-nos acerca da verdade pura que é a Palavra de Deus.
 

De Carlos Souza
Igreja Assembleia de Deus
Votuporanga, SP
 

Irmãos, concordo que seja um tema complexo de se entender. Porém a bíblia não deixa margem pra dúvidas. Nós, em nossas limitações, ou às vezes nas nossas interpretações equivocadas, deixamos dúvidas com relação a certos temas da bíblia. Pois bem! Irmãos, pergunto, o que Jesus foi fazer no inferno? A passagem em que retrata Pedro é bem clara! 1 - Quando a bíblia fala de espíritos fala de seres celestiais, quando fala de almas são seres humanos. No próprio complemento do capítulo de Pedro faz-se essa diferenciação. 2 - Esses espíritos são os anjos que desejaram as filhas dos homens, ou seja, mulheres e tiveram filhos com elas, e habitaram com elas e nasceram gigantes, seres com forças sobrenaturais. Nos tempos de Noé, Gên. 6. E que, com certeza, Noé havia pregado pra eles. Ou seja anjos rebeldes. Esses anjos se rebelaram e foram colocados no inferno, ou seja, tártaro (abismo). Aí você diz: anjos não tem sexo. Respondo com outras perguntas: anjos comem, têm sede? Leia Gên 18 e 19. Não é o inferno onde estão as almas. Lucas 16. Ok! 3 - O que Jesus foi pregar? Irmãos, a palavra pregar quer dizer anunciar algo, não significa só pregar o evangelho. É anunciar algo. Anunciar o quê? Aí já não cabe a mim especular o quê! Só sei que com base em Hebreus que não foi salvação. Leiam Judas! Como disse Jesus na cruz: Está tudo consumado, ou seja, concluído. O que? O plano de salvação. Não existe salvação após morte!
 

De Valdiomar Santos
Igreja Assembleia de Deus
Itapetinga - BA

Tantos pastores, tantos comentários e nada sobre a passagem!
Afinal de contas para quem Jesus pregou e onde?
Quem eram os espíritos em prisão?
E como é que, com base nessa passagem, se pode dizer que se trata de Jesus ter pregado lá no tempo de Noé, se o vivificado pelo Espírito é um a sequência cronológica depois da morte e ainda esclarece que estes que estão ouvindo dele "nooooutro" tempo foram rebeldes, a saber no tempo de Noé. Vocês não acham que a bíblia é muito clara?
 

De Irapuan Pereira
Igreja Batista Nacional Nova Jerusalém
Teresina, PI

Concordo com o estudo do pastor Mario de Jesus. Está absolutamente correto. Na minha opinião, precisamos estudar mais a Palavra de Deus e conhecê-la melhor.
 

De Luana Nascimento
Igreja Batista
São João de Meriti, RJ

Eu creio que Jesus tenha ido pregar aos que já estavam no inferno sim, pois, em primeiro lugar, a palavra diz que ele tomou a chave do inferno. Temos de crer no que a Bíblia diz. Segundo, porque antes de Cristo as pessoas realmente tinham a ajuda dos profetas enviados por Deus, mas nenhum deles veio para trazer a salvação, só Jesus. Se eles tivessem trazido salvação, Jesus não precisaria ter-nos salvo. Ele teve de nos salvar por causa do pecado de Adão. Portanto, fomos salvos por JESUS e Ele foi justo ao ir lá dar a mesma oportunidade a quem já estava no inferno. Nada mais justo!!!
 

De Jamesson Silva
Igreja Assembleia de Deus
São Paulo, SP

Quando analisamos a parábola do Rico e Lázaro, contada por Jesus em Lucas 16:19-31, percebemos que todos que morriam, quer justos ou injustos, iam para um lugar chamado HADES. Notamos também que o Hades era dividido em dois lugares distintos: O primeiro era destinado aos injustos, onde já sentiam os tormentos da condenação. O segundo era para os justos e era chamado de "Seio de Abraão". Enquanto o rico sofria, por causa da vida de pecados que levou, Lázaro era consolado por Abraão. Estes lugares eram separados um do outro. Embora os mortos pudessem se ver, não podiam passar de um lugar para o outro, pois havia um abismo a separá-los.
Havia um detalhe importante e que foi citado por Davi no Salmo 16:10 e no Salmo 49:15. e era que, apesar dos justos estarem descansando no Seio de Abraão, havia em seus corações um desejo e uma esperança de que um dia eles sairiam daquele lugar, isto é, eles anelavam serem libertos por Deus daquele lugar chamado SHEOL ou Hades.
1Pe 3:18-20 e 4:6 revela que, quando o Senhor Jesus morreu na cruz, seu Espírito desceu ao sheol ou hades (como acontecia com qualquer morto), e lá Ele pregou aos espíritos em prisão para mostrar aos que foram rebeldes que, na sua Pessoa, toda Palavra profética teve seu pleno cumprimento, e também aos que creram que a sua esperança não foi vã.
Efésios 4:8-10 diz o que o Senhor Jesus fez após pregar aos cativos (mortos). Ele levou consigo todos os que se encontravam no Seio de Abraão, cumprindo assim a sua esperança, e os transportou para um lugar celestial chamado "Paraíso" (ver Lucas 23:43 e 2Co 12:2-4). Após todos estes acontecimentos houve uma mudança na situação daqueles que partem desta vida na fé em Jesus. Enquanto os incrédulos continuam indo para o hades, que agora não é mais formado por dois setores, e sim por um único setor de tormento e sofrimento, os crentes em Jesus vão para o Paraíso, onde estarão descansando e aguardando a ressurreição para a vida eterna (ver II Coríntios 5:1).

De Silas Cabral
1ª Igreja Batista de Cubatão
Cubatão, SP

 

Interessante a matéria, mas não encerra a questão. A passagem de Pedro é polêmica e tem várias interpretações. A do pastor é apenas uma delas. Creio que a descida de Jesus ao hades deve ser entendida de uma maneira simbólica e ao mesmo tempo verdadeira. O pensamento da época de Jesus era de que o hades tinha vários compartimentos e o mais profundo era o tártaro que era reservado aos mais ímpios de todos.Jesus teria ido lá para proclamar vitória aos espíritos que lá estavam e não para salvar alguém. O curioso é que em Mateus muitos santos ressuscitaram logo após a ressurreição de Cristo e apareceram a muitos. Não sei se esta narração é literal, mas dá a entender que Cristo trouxe estes santos do seio de Abraão e os levou aos céus. Pelo que sei, o seio de Abraão era em algum lugar no sheol, um compartimento separado dos que sofriam. Na parábola do rico e lázaro, havia um abismo entre eles, mas ainda assim mantinham uma conversa. O caso de Moisés, Elias e Henoc, a morte deles é diferente da dos demais. Dois foram arrebatados, e Moisés foi sepultado pela mão do Senhor. Com exceção desses, creio que antes de Cristo morrer e ressuscitar todos estavam no seio de Abraão, um lugar separado no sheol, mas não significa que eles estavam sofrendo, e tampouco Cristo sofreu nos três dias que esteve morto.

De Marta da Silva
2ª Igreja Presbiteriana Renovada
Carapicuíba, SP

Amei sua mensagem. É sempre bom ter uma pessoa com tão altos conhecimentos que possa cada vez mais contribuir para o esclarecimento da Palavra de Deus. Muito obrigada, pastor, por tão grande desempenho e talento. Que Deus o abençoe sempre.

De Rogério Machado
Igreja de JC dos Santos dos Últimos Dias
Franca, SP

Gostei muito de seu artigo. Também do conhecimento sobre outras interpretações de um ponto polêmico como este.

De Marcos Sobrinho
Igreja IDPD
Manaus, AM

Seu comentário a respeito da epístola de 1Pe 3:18-20 está pertinente aos escritos, porém tenho algumas dúvidas quanto a Ef 4:8: "...levou cativo o cativeiro..." e versículo 9: "...antes, tinha descido as partes mais baixas da terra?". A leitura desses dois textos nos leva aos seguintes questionamentos:
1- Inferir que Jesus esteve com os mortos (cativos)?
2- E que esses cativos (presos) eram os que antecederam a Cristo e que criam no Messias?
3- Que Jesus os levou aos céus.
4- Havia dois lugares após a morte para os que criam e os que não criam antes da vinda do Messias?
Se fizermos a exegese bíblica, encontraremos textos como a transfiguração de Jesus e o diálogo com Moisés e Elias, Lc 9:28-36, deixando entender que os salvos, mesmo antes da vinda de Jesus estavam nos céus. Pastor, assim sendo, como podemos entender a Epístola de Efésio 4:8-9?

Do Pr. Valdemiro Pina Lopes
Igreja do Evangelho Quadrangular
Foz do Iguaçu, PR

Sou pastor da Igreja supra identificada e fui presenteado com um livro escrito por um pastor, que só identificarei por G.B. A obra dele, infelizmente indicada por renomados pastores de grandes Igrejas, faz menção à "polêmica" passagem de 1Pedro 3:19,20 com as seguintes palavras: "Jesus foi ao inferno sim, desceu ao inferno para pregar o evangelho aos que haviam morrido até aquela data." Jamais interpretei dessa maneira o texto, e o seu comentário tirou-me um grande peso de minha consciência.

De Renan Roberto de Lima
Igreja Assembleia de Deus
São Paulo, SP

Mas as Escrituras não ensinam que os crentes do Antigo Testamento foram para o Hades e que Jesus lá desceu para libertá-los. Esses crentes foram estar com Deus após a sua morte, Sl 73: 23-24. Enquanto Cristo estava na terra, Elias e Moisés já estavam com Deus no céu, e não no Hades, 2Rs 2: 11; Lc 9: 29-32. Se isso é verdade, como explicar o texto de Jo3:13?

De Wilmar Padilha
Igreja Assembleia de Deus
Curitiba, PR

Os comentários de todos permitem aos estudiosos da Bíblia e que aguardam a vinda de Cristo ter maior abalizamento pela forma como a compreendem, expondo seus pontos de vista. Isso é útil e saudável, pois percebo não haver maior acidez de quem quer que seja, demonstrando maturidade cristã sobre tão empolgante tema.

Do Dc. Bernardo Velasco
Igreja Assembleia de Deus
São Gonçalo, RJ

Quanto ao fato de Jesus ter as chaves da morte e do Inferno, creio não ser preciso mencionar as passagens que Jesus venceu a morte, ao ressuscitar, e que venceu o inferno, ao vencer o pecado, lembrando que o inferno(Sheol/Hades) é um pré-inferno, e o lago de fogo, o inferno que será o inferno eterno, depois o Juízo Final (aquele de Ap 20:11-15). E, vencendo, Ele tomou as chaves, ou seja, tomou a autoridade e, como se sabe, os mortos em Cristo vão ao céu, e não mais ao inferno, porque Cristo tem autoridade sobre o inferno e, dos santos do Antigo Testamento até o ladrão da cruz que se arrependeu (Lc 23), todos foram transportados do Seio de Abraão, no caso, o Paraíso do mundo dos mortos (é, a tradução verdadeira de Sheol/Hades, e não inferno, isso é, não segundo o conceito que muitos têm de inferno, a menos que seja baseado apenas na extração a tradução em latim de Sheol/Hades) até o novo Paraíso, no 3º céu (2Co 12:2,4), como se vê claramente na Bíblia (Hb 2:14,15; Sl 68:18; Ef 4:8) que o diabo levava os mortos ímpios (não digo o corpo, já q esse vai pra sepultura, mas o homem interior [alma e espírito]) pro mundo dos mortos, e os anjos de Deus levavam os justos pra essa divisão paradisíaca do mundo dos mortos (o mesmo se aplica pros justos, mas diferenciando que não são os demônios que os levam, mas os anjos) como se vê em Lc 16:19-31 a história toda. Em resumo, Jesus, ao tomar as chaves do Inferno, faz com que os mortos justos não vão mais pro mundo dos mortos (onde ficava o antigo Paraíso, o Seio de Abraão), mas pro novo Paraíso, no 3º céu!
 

Do Pb. Douglas Alves
Igreja Ev. Manancial de Vida
Mesquita, RJ

Concordo inteiramente com o tipo de CRISTO representado pela pregação de Noé antes do dilúvio, e o fato da expressão "pregar" justifica-se por Ele se apresentar como a manifestação da justiça de Deus. Portanto, não creio em uma nova oportunidade de salvação para aqueles que negaram a primeira. Observo ainda que o próprio Cristo manifesta que haverá menos rigor para Sodoma e Gomorra do que para Cafarnaum. Isso indica aí sim é que haverá juízo para estas cidades que nem sequer tiveram tal oportunidade. Então, por que não para os contemporâneos de Noé, que ouviram a pregação?

De Ariel Aguiar de Souza
Igreja Assembleia de Deus
Osasco, SP

Gostaria de mencionar que qualquer teoria que vá contra aquilo que está escrito na Bíblia deve ser questionada e essa teoria vai contra: "e ao homem está ordenado morrer uma vez vindo depois o juízo". Falar que Jesus pregou aos mortos é dizer o contrário. E outra coisa: como poderia os santos do Antigo Testamento estarem no HADES, já que o inferno está vazio? E mais: Jesus desceu às partes mais baixas da TERRA. O inferno não fica na TERRA, mas entende-se que é o abismo abaixo dela. Jesus disse: "eu tenho a chave da morte e do inferno". Ele não disse: eu tomei. Jesus nunca perdeu a autoridade, sendo que não foi morto, mas deu sua vida e disse que ninguém tem o poder de tirá-la. Os únicos versículos que poderiam sustentar esta teoria são os que estão na Carta de Pedro. E por que só a Pedro seria revelado isso? Por que Jesus, antes de sua morte, não fala sobre isso? "E levou cativo o cativeiro" fala da transportação do seio de Abraão para baixo do trono de Deus, onde João vê as almas dos que morreram em Cristo. Então, irmãos, é necessário lermos mais a Bíblia (falo tbm de mim mesmo) para que não falemos coisas sem fundamentos concretos. Entendo assim, porém respeito as opiniões dos meus irmãos.
 

De Regina Célia
Igreja do Evangelho Quadrangular
Marabá, PA

Eu também não acredito que Jesus tenha ido ao inferno e tomado as chaves do diabo no sentido literal. Creio que "inferno", nesse texto, significa o tempo de sofrimento de Cristo, marcado pela coroa de espinhos, pelas chibatadas que ele levou e, finalmente, a crucificação. Tudo isso foi sofrimento demais, muitas dores, que nós só imaginamos que conhecemos. Essa "chave" representa a ressurreição de Cristo, a quem nem a morte pôde deter. Satanás foi derrotado.

De Alberto Rocha

Vejam como é difícil a interpretação dessa passagem da Bíblia. Cada um tem uma opinião diferente. Acredito que Jesus tem o domínio sobre o diabo (que representa o inferno) e a morte (esta é apenas necessária), mas que Jesus com o poder que lhe foi dado por Deus também pode vencer. O resto é tentar ficar adivinhando quem tem mais conhecimento da Bíblia, certo?

De Valquíria Reis
Igreja Evangélica Pentecostal Unidos com Cristo
Itaboraí, RJ

Quero parabenizá-lo pelo presente artigo e gostaria de acrescentar minha opinião. No momento em que Cristo levou sobre si os pecados de toda a humanidade, até mesmo de quem ainda não havia nascido, como eu e você, mesmo NÃO sendo pecador, ele foi ao inferno como qualquer pessoa carregada de pecados iria. Mesmo sendo SANTO, naquele momento ele estava como o pior dos pecadores e, por isso, desceu, tomou as chaves, pagou a dívida e, enfim, ressuscitou para garantir-nos a eternidade.

De Adão Pereira
Igreja Evangélica O Brasil para Cristo
Sorocaba, SP

O homem sábio não questiona as coisas de Deus. Deus revela para o homem aquilo que o homem pode entender. Dt. 29.29 é um versículo conhecido. Avancemos para o alvo e, quem sabe, se for da vontade de Deus, um dia Ele nos mostrará quem foi salvo na época de Noé. Não se esqueçam: Deus é misericordioso!

                    

 

Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil - Fones (44) 3262-8332 ou 3262-9438 - Cx. Postal 504 - 87001-970 - Maringá, PR - Brasil.