A mensagem bíblica começa com amor
e termina com amor...

                           João 15: 9-12

Amar é a maior experiência do homem no curso da sua vida. É claro, não estou fazendo referência alguma ao amor livre, sensual, imoral; que degrada, degenera e que transforma o belo na pior espécie de esgoto urbano. Também não me refiro ao amor platônico que se ama de perto como se longe estivesse, porque julgam ser o amor impuro por natureza e contamina a alma. Somos chamados para amar o pária, o proscrito, o excluído social, o anônimo. Quem não ama não passou pela vida; e é melhor não viver do que viver e não amar. O amor é o bem supremo a ser anelado por homens e mulheres, adultos, jovens e crianças. Até os animais amam.

Não podemos entender nada na Bíblia e nem em nossa vida, se não for através do amor. Cantares de Salomão é um livro fácil de ser lido e entendido porque retrata a história de duas pessoas que se amam. Gostamos muito de João 3: 16 porque retrata, em poucas e inconfundíveis palavras, a história irrefutável do amor de Deus por nós.

O amor é o maior de todos os mandamentos.

Por que desejamos o amor?
 

Desejamos o amor pela sua origem:
           "o amor é Deus”
.

1João 4: 7 afirma: “amemos uns aos outros porque o amor é de Deus”. Este amor está por todas as partes da Bíblia: ele está presente na história da criação; ele está presente na história da redenção; ele está presente na história de cada um de nós. Onde encontramos Jesus? Com os pecadores. Com a multidão aflita e sofrida que vivia como ovelhas sem pastores, no meio de lobos famintos e vorazes.

O encontro de Jesus com a mulher samaritana foi o encontro do amor com o ódio cruel e racial. Qual dos dois você imagina que venceu: o ódio ou o amor? O amor é o único sentimento e a única arma que pode vencer o ódio. Jesus é a encarnação do amor de Deus. Hoje este amor está encarnado em mim e em você. A nossa história tem de ser uma de quem ama e não de quem odeia. Sem Jesus pode faltar amor, mas vão sobrar mágoas, ódio, revolta, repulsa, amargura, aversão, antipatia, desprezo e indignação.

Amor. Esta foi a única forma encontrada na Bíblia para definir Deus. Desejamos o amor porque o amor é de Deus.

 
      
Desejamos o amor pela sua eternidade:
           “o amor jamais acaba”
.

 Bem diz Jeremias 31: 3: “Com amor eterno Eu te amei”. O amor não é como uma árvore seca; como nuvens da manhã que passam ou a relva que murcha e seca, mas é como as montanhas que sempre estão firmes. Entra ano e sai ano, elas permanecem inabaláveis. Tudo ao redor pode mudar, elas não. Continuam sempre lá, imponentes, desafiadoras, dominando a paisagem.

Na vida tudo é transitório – menos o amor. Permanecem a fé, a esperança e o amor. Estes três. Mas o maior destes é o amor porque é o único que jamais acaba.

O amor é maior que a eloquência. Amor não é uma questão de linguagem, de teoria, mas de prática – “ainda que eu falasse a língua dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa e o sino que retine”, v. 1.

O amor é maior que a profecia. É maior do que a capacidade de predizer coisas passadas, presentes ou futuras: “ainda que eu tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e ciência, mas se não tiver amor...”, v. 2.

O amor é maior que a fé. A fé aponta para cima, enquanto o amor aponta para todos os lados: “ainda que eu tivesse toda a fé, de tal maneira que transportasse os montes e não tivesse amor, nada seria”, v. 2.

O amor é maior que os nossos conceitos humanistas: “ainda que eu distribuísse todos os meus bens para o sustento dos pobres, se não tiver amor...”, v. 3;

e o amor é maior que qualquer sacrifício que o ser humano possa fazer: “ainda que eu entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria”, 1Co 13.

Que as palavras do Senhor dirigidas a Efraim e Judá não sejam para nós: “Que te farei, ó Efraim, que te farei, ó Judá, porque o vosso amor é como a nuvem da manhã e o orvalho da madrugada que cedo passam”, Os 6: 4.

Desejamos o amor porque ele jamais acaba.
 

Desejamos o amor pelo seu valor:
           “o amor não faz mal ao próximo”.
           1Co. 13:5, 6.

Vemos esse amor na expressão reconciliadora do pai com o filho pródigo: quando reabilita o filho. Há uma dúvida sobre a qualidade do amor quando o pai entrega ao filho menor a parte da herança pertencente a ele. O pai não dialoga, não resiste a vontade do filho. Ele simplesmente atende o pedido. Isso é amor?

O pai pode chamar isso de amor, mas um psicoterapeuta vai chamar isso de paternidade irresponsável. O amor impõe limites, usa o bom senso, sabe dizer não. Amar não é concordar. Agora, quando o pai reabilita o filho maltrapilho, malcheiroso e mal de tudo – isso é amor. O amor determina limites; o perdão não. O perdão não conhece limites. Amar é perdoar sem limites.

Quando Jesus ministra perdão à mulher pecadora, em João 11: 16, não discute o tamanho do pecado dela. Não a discrimina e nem a humilha. Atos de bondade são vistos na parábola do Bom Samaritano que inspira atos de misericórdia até os dias de hoje. Amar inspira atos de heroísmo como o belo exemplo de Joquebede, a mãe de Moisés. O amor nos une, não nos divide. Isaque e Rebeca estavam divididos pelo amor ou pelas preferências?

No amor não há hipocrisia como bem testemunha a parábola do Bom Samaritano, nos exemplos reprovados e contestados do sacerdote e do levita; como também nas expressões ingratas e traidoras de Judas Iscariotes. Paulo resume magistralmente: “o amor seja sem hipocrisia”, Rm 12: 9, mesmo porque hipocrisia não combina com amor: “o amor não pratica o mal contra o próximo”, Rm 13: 10, porque essa é a sua natureza.


       
 Desejamos o amor pela sua qualidade:
            Ele é bom, justo e verdadeiro.

Paulo defende, Romanos 7: 12, que Ele é bom – porque se porta com decência; ele é justo nas suas atitudes com o próximo – de pensar, sentir e agir, e ele é verdadeiro no seu relacionamento. Desejamos o amor pelas qualidades que ele tem. E uma das grandes qualidades do amor é que ele não falha.

O amor é maior do que os dons espirituais. A profecia pode falhar; o amor, não. A fé, num determinado momento de fraqueza, pode falhar. Revelações podem falhar. O crente pode falhar no exercício dos dons espirituais e no seu testemunho pessoal; só não falha quem ama. Desejamos o amor pelas suas qualidades.
 

Considerações finais

Um dos hinos que mais gostava de cantar quando criança, e de tocar, quando tive minhas primeiras aulas de música e aprendia a tocar pela partitura musical, encontra-se no Hinário Aleluia – “Qual o adorno desta vida? É o amor”.  São cinco lindas estrofes descrevendo as qualidades do amor autêntico e verdadeiro. Hino número 381.

A mensagem da Bíblia começa com amor e termina com amor. Começa com o casamento de Adão e Eva no Jardim do Éden e termina com a união de Cristo e sua igreja no Apocalipse.

Você tem amado?

 

.......................

Fonte: Jornal Aleluia de fevereiro de 2008.

 
 
 O que você gostaria de fazer?    
 
 

Direitos autorais

Este artigo pode ser reproduzido livremente
para fins pessoais, sendo, porém, vedada sua publicação
sem autorização formal da Editora Aleluia.

 
 

Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil - Fones (44) 3262-8332 ou 3262-9438 - Cx. Postal 504 - 87001-970 - Maringá, PR - Brasil.